segunda-feira, novembro 10, 2008

Um depoimento do Pedro Primo sobre a Pia








Meus queridos primos e primas.

Fez ontem 1 mês que a Pia … vocês sabem.
Não tem sido fácil para nós, para a minha Mãe sobretudo, mas a vida continua.
A Pia era uma constante nas nossas vidas. Era a companhia da Mãe. Era lá de casa. Estava lá sempre. Nós contávamos com isso.

Querida de muitos amigos, primos e tios, talvez por ser também uma excelente Benfiquista, sabia sempre a que horas eram os jogos e quem iria jogar ou não. Todos nós irmãos, amigos e primos, tínhamos uma relação muito boa com ela. Não era difícil. A minha, não era mais nem menos ou melhor ou pior, mas apenas diferente. Não conversávamos mais do que o necessário, mas faziamo-lo sempre que necessário. Falávamos mais por caras, gestos e sons, por exemplo, no futebol, aquela cara do “vamos embora que a coisa não está a correr bem” ou “a cara do “isto vai ficar complicado”, sem contar claro, com as caras que fazíamos com os passes falhados do Luisão, ou com os remates tortos do N Gomes. Parece que só digo coisas boas dela, mas tinha uma coisa má: não era tão fanática como eu, mas uma verdadeira benfiquista. O seu último pedido foi, cerca da meia noite, ao António para pôr a televisão no Canal do Benfica. Percebe-se. Toda a noite no canal Mezzo!!!!

Muito calma e serena nas suas opiniões, era sempre a última a falar. Tinha uma forma cativante de ser para com todos os sobrinhos. Gostava muito de estar e falar com todos. Penso que, principalmente os sobrinhos de Vila Nova serão os que ela mais lidava e delirava, e claro, a família Ferreira, Rosário, Mafalda, Jonny e Teresa (etc, porque são muitos), a sua segunda família.

O dia 9 de Outubro ficará para sempre na nossa memória, na minha de certeza, pois foi um dia que, em particular, me marcou bastante. Não só pelo que significa a ausência da Pia nas nossas vidas mas também pelo acompanhamento que tivemos nessas 12 horas. “A nossa família é muito boazinha”, como dizia a minha filha Dita. Os poucos que sabiam o que se passava, imagine-se, fizeram uma directa conosco. E foi tão bom. Foi tão importante e tão …família. Não tenho palavras para descrever o que significou para nós a presença dos nossos primos, Zé Tomaz (que não me deixava fumar sozinho) Zé Frederico, Luisa, Pipas, Leonor, Sofia, Diana, Mana e João, Guida e António, entre outros (peço desculpa se faltei com alguém e à Marta por lhe termos “fechado” a porta) e claro, a Tia Conceição, a quem “arrancaram” da cama. Extraordinário. Dizer obrigado soa a muito pouco e parece que “não se usa” nesta família para estas coisas, porque … é normal. Imagine-se.

As mensagens que recebi foram demais. Como é que eu não havia de estar quase sempre com um sorriso na cara quando falava a um dos meus primos ou primas? Ou ainda aos seus filhos? Só podia. É tão bom sentir aquilo. Aquela Amizade. Aquela Família.
Mas a presença da família foi uma constante nestes 8 meses … e todo o pessoal do HCV estavam estupefactos com a presença constante da família junto da Pia. Nunca viram nada assim. Eu próprio devo dizer, que também não.

Foi isto o que a Pia fez, juntou a família à sua volta. Perguntava sempre pelos sobrinhos a todos nós. Continuava a querer saber as novidades das aulas, das nossas vidas, do Benfica, claro, e vivia a pensar no próximo programa de fim de semana, cheia de dores e por vezes enjoada e/ou com falta de ar, mas sem nunca se queixar seja a quem for.

Era isto que estava entalado na minha boca que gostaria que fosse dito, naquelas missas chatas que tivemos, onde a única coisa boa foi a presença de toda a família e amigos bem como, claro, o Tomaz e o seu coro que estiveram extraordinários.

Adeus Pia e até sempre.

Pedro Cabral da Camara

9 comentários:

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Grande Pedro

Mas que testemunho aqui nos dás. Nem tenho palavras para comentar.

Um abraço

Zé Tomaz

Anónimo disse...

Pedro ao ler-te só posso confirmar o que sempre achei de vocês.

Vocês na realidade sem ofensa para toda esta familia fantástica são especiais.

Um abraço

Pedro Ventura

Salvador Vaz da Silva disse...

Grande Pedro e restante Família:

Calculo que a Piedade esteja, a esta hora, muito comovida com este post e ainda mais feliz por ter tido a Familia que teve. Bem a mereceu, diga-se.

Quero aqui deixar um beijo e um abraço grande a todos os irmãos da Pia e a toda a gente que a ajudou a atravessar este ultimo percurso da sua vida terrena e, em especial, a uma das Senhoras mais extraordinárias que tive o previlégio de conhecer até hoje: a Tia Rita. Fantástico e extraordinário como, mesmo nas alturas de maior sofrimento, a Tia Rita tem sempre espaço para uma palavra querida e animadora para os outros. Unico.

Família, Força para Todos que agora temos mais a Piedade a olhar por nós com o Amor e a Candura que sempre emanavam do seu Olhar.

Até breve,

Salvador

Zé Frederico Ulrich disse...

GRANDE TEXTO MIUDO…. ; )
A data já está certa !!!
Podias e devias ter lido isto numa das missas, acho que todos queriam ler ( Eu queria…….mas não tenho jeito nenhum para escrever ) e ou ouvir quaquer “ TESTEMUNHO “ sobre a PIA.
PARABÉNS + uma vez e como Tu dizes no texto, “ o passar a noite …. “.
É a FAMILIA !!!
Foi e será sempre uma data que Eu nunca vou esquecer, porque e como sabem TODAS as minhas primas que Eu adoro a Pia era e será sempre a Nº 1 ( Grande “ cumplice “ minha, em solteiro, casado e agora divorciado ).
Faz-me uma falta, que uns sabem outros calculam…de 15 em 15 dias tenho o Meu filho Bão
e de 15 em 15 dias… “ tinha “ a Pia.
Grande Abraço
Zé Frederico Ulrich

Tia Simpa disse...

Apenas um comentário:

M A R A V I L H O S O !

Faz-nos pensar!

Beijos para todos.

Filipa disse...

Querido primo Pedro

Que beleza, que coragem, que surpresa!

Estou comovida, ..., não tenho palavras. Adoro-o a e adoro toda esta fantástica família. Que sorte que temos!

Beijos - muitos e enormes

Pipas

Anónimo disse...

Querido Pedro,
Queridos primos Cabral da Câmara e
Querida Tia Rita (os últimos são sempre os primeiros), de quem tenho a enorme honra de ser afilhada

Como disse há dias, são realmente uma família inqualificável. Não há nenhum adjectivo suficientemente grande para qualificar a vossa maneira de ser, a vossa sabedoria, a vossa grandeza de alma. São únicos! Sem exagerar, acho que não deve haver mais nenhuma família assim. Pelo menos, eu não conheço.

Comecei a conhecer melhor a Piedade por causa dos nossos benditos jantares de primas. Antes disso, pouco a conhecia.
E gostei muito do que fiquei a conhecer. Bem disposta, divertida, com uma piada especial, sorna (não uma piada óbvia), companheirona, a alinhar sempre nos programas, quer fossem com pessoas que ela conhecesse, quer não. Grande amiga dos bifes e de um copito de vinho branco, nunca faltou a um jantar. A não ser quando valores mais altos se levantavam - os jogos do Benfica ultrapassavam qualquer programa!!
Por um lado foi óptimo conhecê-la melhor; por outro, nestes últimos tempos, preferia não a conhecer tão bem e não ser tão amiga dela. Ver passar uma pessoa de quem se gosta por tudo aquilo que a Piedade passou, custa muito. E eu só sou prima ...
Mas a vida é assim mesmo. Diz o Padre Tolentino que “estamos aqui acampados”; há que levantar arraiais e seguir em frente. Foi o que a Piedade fez. Corajosamente! E tenho certeza absoluta que, neste momento, está num lugar muito melhor, sem sofrimento e em paz.

Como dizem os ingleses e muito bem, long live Piedade!!

Quanto à família da Piedade, talvez não sirva de consolo mas ficam a saber que todo o sofrimento por que têm passado, não tem sido em vão. Falo por mim, mas sei que há várias pessoas, dentro e fora da família, que muito aprenderam convosco, com as vossas atitudes.
Ensinaram-nos “sentimentos” difíceis de se ensinar e transmitir. Ensinaram-nos a sentir, como sentir.
Só espero um dia conseguir transmitir, com a mesma grandiosidade, uma infíma parte do que aprendi convosco.
Obrigada e beijos grandes a todos
Diana

Anónimo disse...

Luis Bossa
Sentimos o partir, o teu espirito quantinuará na nossa alma ,faz pare da nossa historia.Para a familia neste momento deloroso só temos que caminhar em frente porque esta era de certeza o desejo anossa amiga ,companheira dos petiscos,e do seu Benfica . Que a memoria ewo seu sorriso seja sempre lembrado.

Luis disse...

Luis Manuel Bossa .

O teu sorriso nunca será esquecido .
A alegria que sempre transportou será sempre lembrado.
Á familía uma nova erá começou . A nossa responçabilidde é maior .
Os nosss serões debates de benfiquistas,, nossos petiscos,nas nossas férias, serás sempre lembrado..
Á famiíia desejo o melhor.